sábado, 14 de fevereiro de 2015

Achismo

Vomita.
Escarra o que sobrou de mim em você,
Cospe, pisa, deixa de lado,
Mas não volte a consumir, esquece.

Esquece,
Aquilo que finge amar
Sequer se conhece.
É efeito da solidão, senão do cansaço.

Deixa de lado.
Iludir não adianta, não supre o desejo, a sede
Sequer aplaca o temor ou diminui a ânsia,
Só é, como um todo feito de nada, recheado do vazio.

De sua inércia nada quero, vomita.
Vomita logo e assim, seguimos adiante
Mutação constante, nômade de vida
Distante.

Nenhum comentário:

Postar um comentário