sexta-feira, 3 de abril de 2015

Poetry


E apesar de tudo,
Gostaria de que se lembrasse
Que nós temos amor, nós temos fé
E nada vai nos derrubar.

Por mais que a estrada seja longa,
Por mais que os espinhos e as pedras nos firam,
Mesmo que derramemos mais lágrimas
do que podemos dar conta,
Nós não desistiremos.

Quero que se lembre dos sorrisos,
Das vozes em uníssono e até mesmo
das insólitas lamúrias,
Mas acima disso, quero que se lembre
De nós.
Da força da nossa união,
Do quão lindo pode ser
O ser.

Da voz rouca da liberdade
Que clama ensandecida pela verdade,
Que corre, percorre e escorre
Eis o meu alude, a minha homenagem
Ao que quem sabe um dia,
Possa ser chamado de miragem.

Um comentário: